top of page
Buscar

Utilização de medicamento para tratamento da Diabetes Mellitus é ampliado no SUS

A ampliação deve beneficiar cerca de 200 mil pessoas por ano.



Ampliação na distribuição da dapagliflozina ocorreu com base em estudos da Academia VBHC, organização que busca transformar o sistema de saúde, através do conceito de Cuidado à Saúde Baseado em Valor e projetos inovadores.


Pacientes portadores de Diabetes Mellitus (DM) terão a partir de agora o acesso ampliado no SUS ao medicamento dapagliflozina. O anúncio foi feito pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (CONITEC). Até então, a Comissão havia incorporado a dapagliflozina apenas para pacientes com mais de 65 anos e que já haviam apresentado complicações da doença, como infarto ou acidente vascular.

No entanto, estudos realizados pela Academia VBHC (www.academiavbhc.org) - Value-Based Health Care - Cuidado à Saúde Baseado em Valor, permitiram esclarecer que os benefícios do medicamento são muito significativos na população que ainda não apresentou complicações. Os estudos indicam que a dapagliflozina pode prevenir complicações da diabetes, evitando custos e sofrimentos desnecessários. A Academia VBHC calcula que essa mudança deve beneficiar anualmente cerca de 200 mil brasileiros.


A dapagliflozina é um medicamento específico para o tratamento de pacientes com DM, que age reduzindo a absorção de glicose (açúcar) pelos rins e aumentando a sua eliminação pela urina, ajudando a controlar os níveis de glicose no sangue. Além disso, estudos recentes mostram que o medicamento traz outros benefícios significativos, como a redução do risco de complicações no coração e nos rins em pacientes com diabetes.

Incorporação com base em estudos científicos da Academia VBHC

Essa incorporação foi possível graças a uma parceria com a Academia VBHC, que realizou estudos que incluem conceitos de Health Economics and Outcomes Research (HEOR) e Value-Based Healthcare (VBHC) para investigar o valor da nova tecnologia no SUS.

Os estudos incluíram revisão sistemática e meta-análises, estudos que sintetizaram os benefícios do medicamento, assim como estudos econômicos de custo-efetividade por microssimulação que analisaram os impactos do medicamento em todo o ciclo de cuidado do diabetes, incluindo desfechos de longo prazo. Desta forma, foi possível verificar que o medicamento, além de melhorar significativamente os cuidados ao diabetes, reduz significativamente custos de longo prazo para o SUS, como decorrentes de infarto e insuficiência renal.

Segundo, Dr. Henrique Diegoli, um dos sócios fundadores da Academia VBHC, este case de sucesso é um exemplo de como a interação entre VBHC e HEOR pode auxiliar o sistema de saúde a tomar decisões, que aumentem o valor para os pacientes, ampliando expectativa e qualidade de vida e reduzindo custos potencialmente evitáveis.

A avaliação de novas tecnologias em saúde é um processo importante para determinar se uma nova tecnologia é eficaz e segura para uso na saúde. VBHC e HEOR são abordagens diferentes, que ajudam a avaliar se a nova tecnologia é valiosa para os pacientes e se pode ser incorporada ao sistema de saúde com custos razoáveis” , explica ele.

Academia VBHC atua como uma ponte entre VBHC e HEOR, utilizando ferramentas como revisões sistemáticas em saúde, avaliações econômicas em saúde e estudos de Real-World Evidence (RWE), que investigam o uso de novos tratamentos na prática no Brasil. Também oferece educação e consultoria para a implementação de escritórios de valor, reorganizando os ciclos de cuidado para entregar o que importa para os pacientes.

Juntas, VBHC e HEOR podem ajudar a aumentar o valor da incorporação de novas tecnologias, garantindo que elas tragam benefícios reais para os pacientes e sejam economicamente viáveis para o sistema de saúde. Com essas ferramentas, a Academia tem contribuído para que o SUS e o sistema de saúde privado ofereçam cada vez mais valor no tratamento de diversas condições de saúde de brasileiros. Esperamos que outras tecnologias que possam aumentar a qualidade de vida dos pacientes e reduzir custos para o SUS também sejam incorporadas em breve, finaliza o Dr. Henrique.

8 visualizações0 comentário
bottom of page